Para beneficiar das opções personalizadas deste site tem de fazer login ou registar-se como sócio da APM.    

ApresentaçãoProfMatSIEMLocaisCursosInscriçõesNovidades 

Painéis

Os painéis são momentos de discussão com vários intervenientes sobre temas de actualidade. São preparados e conduzidos por um moderador convidado pela organização que, em conjunto com esta, endereça convites aos restantes membros do painel. Em cada caso prevêem-se intervenções dos vários membros por solicitação do respectivo moderador e em resposta a questões da assistência que é convidada a intervir em momento próprio do painel. 


P1 - Problemas actuais da formação inicial de professores que ensinam Matemática
P2 - Capacidades transversais: Que desafios?



P1 - Problemas actuais da formação inicial de professores que ensinam Matemática

Segunda, 5 Set, 14:30
IE, Anfiteatro

Moderadora: Hélia Oliveira, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Intervenientes: Cristina Loureiro, Escola Superior de Educação de Lisboa
Xxxxxxxxxxxxxxx João Filipe Matos, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
Xxxxxxxxxxxxxxx Luís Meneses, Escola Superior de Educação de Viseu
Xxxxxxxxxxxxxxx Rosa Ferreira, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

A formação inicial de professores passou por profundas alterações, no nosso país, na sequência do chamado "Processo de Bolonha", as quais foram encaradas, por alguns, com cepticismo, por outros, como oportunidades de mudança e de ruptura com modelos muito enraizados. Num momento em que se caminha para a conclusão da primeira leva de cursos de formação inicial, importa reflectir sobre o modo como este novo modelo tem vindo a ser implementado e as suas implicações na formação dos novos professores. Em tempos de profunda mudança na sociedade, chega a estes cursos um público cada vez mais diversificado. Estará a formação inicial a conseguir atender a essa diversidade? Em que medida a tão almejada relação teoria-prática, se tem conseguido aprofundar, neste novo enquadramento? Que facetas dos cursos se têm revelado promissoras no sentido de contribuírem para o desenvolvimento de futuros profissionais empenhados e competentes? Quais os principais desafios que se colocam à formação inicial do professor que ensina Matemática no actual contexto? Sustentados na experiência de formadores, dos diferentes níveis de ensino, procuraremos discutir estas e outras questões, equacionando que caminhos a formação inicial poderá seguir para ultrapassar os problemas com que se confronta.

Notas biográficas:

Hélia Oliveira
Professora auxiliar do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, onde lecciona os cursos de Mestrado em Educação e Mestrado em Ensino da Matemática. Realizou o doutoramento na mesma Universidade, em 2004, com uma dissertação sobre a identidade profissional de jovens professores de Matemática. Tem orientado teses de mestrado e doutoramento na área da Didáctica da Matemática, em diversas temáticas, com particular incidência na temática da aprendizagem dos Números e da Álgebra. É co-autora de diversos livros, alguns dos quais editados pela APM. Participou nos projectos Matemática para Todos, Investigar e Aprender, Promover a Aprendizagem dos Números e da Álgebra (IMNLA) e está, neste momento, envolvida no Projecto Práticas Profissionais de Professores de Matemática, financiado pela FCT. É sócia da APM, desde 1989, e foi co-editora da revista Quadrante.

 Cristina Loureiro
Actualmente é professora coordenadora na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa, onde é presidente desde Maio de 2010. Nesta instituição tem desempenhado vários cargos. Foi professora de Matemática do Ensino Secundário passando a trabalhar na ESE de Lisboa a partir de 1986. Realiza actualmente o doutoramento no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, onde desenvolve uma investigação no âmbito do ensino da Geometria. É autora de diversos artigos e publicações nesta área. Tem realizado cursos, conferências, comunicações e outras sessões de trabalho em muitos encontros de professores. Foi co-autora de manuais para o ensino básico e secundário entre 1993 e 2004. No âmbito da APM, foi uma das suas sócias fundadoras, tendo integrado a sua primeira direcção e desempenhado o cargo de presidente entre 1997 e 1999. Faz parte do GTG e do GT1 da APM.

João Filipe Matos
Doutorado e Agregado em Educação pela Universidade de Lisboa, é professor no Instituto de Educação daquela universidade onde coordena a Área de Investigação e Ensino Currículo Didática e Formação de Professores e preside à Assembleia do Instituto. Coordena o Programa de Doutoramento na especialidade de TIC na Educação e o Mestrado em Tecnologias e Metodologias em E-learning e é responsável pelo E-learning Lab e pelo Centro de Competência em Tecnologias e Inovação do Instituto. Desde 2010 é Presidente do International Group for the Psychology of Mathematics Education (PME). Coordena o grupo de Investigação Educação Tecnologia e Sociedade da Unidade de Investigação do Instituto de Educação onde desenvolve o projecto iTEC (Innovative Technologies for an Engaging Classroom) em parceria com diversos países europeus.

Luís Menezes
É Professor Adjunto da Escola Superior de Educação do Politécnico de Viseu. Investigador (membro do CI&DETS do Instituto Politécnico de Viseu e colaborador Centro de Investigação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa) na área da Didáctica da Matemática, interessado nos temas de investigação: desenvolvimento profissional de professores, em contextos de formação inicial e contínua, e comunicação matemática. Co-autor do novo Programa de Matemática do ensino básico. Coordenador institucional na ESE de Viseu do Programa de Formação Contínua em Matemática (PFCM) para professores dos 1º e 2.º ciclos do ensino básico (2005-2011).

Rosa Antónia Tomás Ferreira
É licenciada em Matemática - Ramo Educacional, pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), foi professora do 3.º ciclo do ensino básico e ensino secundário durante cerca de três anos. Ingressou na carreira docente universitária em 1997, concluiu o mestrado em Matemática - Fundamentos e Aplicações, na FCUP, em 2000, doutorou-se em Mathematics Education por Illinois State University, Estados Unidos da América, em 2005, e é actualmente professora auxiliar no Departamento de Matemática da FCUP. Foi membro da comissão coordenadora do Núcleo do Porto da APM durante quatro anos. Integra a comissão de acompanhamento do Plano da Matemática, Plano da Matemática II e do início da generalização do Novo Programa de Matemática do Ensino Básico, desde 2007/08.

 




P2 - Capacidades transversais: Que desafios?

Quarta, 7 Set, 9:00
FCUL, Anf 3.2.14

Moderadora: Maria Helena Martinho, Instituto de Educação da Universidade do Minho

 Intervenientes: Célia Mestre, Agrupamento de Escolas Romeu Correia, Almada
 Intervenientes: Isabel Rocha, ESECS do Instituto Politécnico de Leiria
Intervenientes: João Almiro, Escola Secundária de Tondela
Intervenientes: Ana Maria Roque Boavida, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal

As capacidades transversais surgem no programa do ensino básico de 2007 como uma proposta inovadora. Se o programa anterior já sublinhava a importância do desenvolvimento da capacidade de resolver problemas, comunicar e raciocinar, o actual atribui-lhes um papel central na construção, consolidação e mobilização do conhecimento matemático. Sublinha-se a sua transversalidade, atravessando todo o currículo, não só como objectivo mas também como meio, e o potencial da sua articulação mútua. De facto, apesar de destacadas de forma independente no programa, a sua articulação pode ser trabalhada de forma cruzada enriquecendo-se mutuamente.
Como é possível promover o desenvolvimento destas capacidades na sala de aula? Individualizá-las traz vantagens para o processo de ensino? Será que as capacidades a destacar são realmente a resolução de problemas, raciocínio matemático e comunicação matemática ou será que deveriam ser outras? Quais? Porquê? Como estão os professores a interpretar as orientações do Programa? Que lugar estão a dar às capacidades transversais? Que dificuldades enfrentam?

Notas biográficas:

Maria Helena Martinho
Professora auxiliar no Instituto de Educação da Universidade do Minho. Concluiu o doutoramento pela Universidade de Lisboa, em 2007, cujo tema se centrou na comunicação matemática na sala de aula. Lecciona no Mestrado em Ensino e no Mestrado em Supervisão do Ensino de Matemática e na Licenciatura de Educação Básica. Tem realizado diversas acções de formação para professores e orientado dissertações de mestrado e teses de doutoramento essencialmente centradas nas temáticas da comunicação, do raciocínio e da literacia. Participa actualmente em dois projectos de investigação: Projecto Práticas Profissionais de Professores de Matemática (FCT) e Basic Curriculum Teachers´ In-service Training in Content Area Literacy in Secundary Schools (Comenius). Actualmente é directora adjunta do Centro de Investigação em Educação da Universidade do Minho e membro da comissão de acompanhamento do Plano de Matemática II e do Novo Programa de Matemática do Ensino Básico.

Célia Mestre
Professora do 1.º Ciclo do Ensino Básico, desde 1997. Licenciatura em ensino da Matemática e Ciências da Natureza, pela Escola Superior de Educação de Beja. Licenciatura em Ciências da Educação, pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. Mestre em Ciências da Educação, na área de especialização em Teoria e Desenvolvimento Curricular, pela Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade de Lisboa, com tese sobre o ensino e aprendizagem da Matemática no 1.º Ciclo. Doutoranda em Educação, na área de especialização de Didáctica da Matemática, pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Foi professora experimentadora do Novo Programa de Matemática em 2008/10.

Isabel Rocha
É licenciada em Matemática pela FCUL (1972), tem o Mestrado em Educação, na especialidade de Didáctica da Matemática pela FCUL (1996) e, Doutoramento em Avances en Formación del Profesorado, pela Universidade da Extremadura, Badajoz (2010). Iniciou a sua actividade profissional como investigadora no Laboratório de Física e Engenharia Nucleares, actual INETI, onde esteve cerca de 5 anos. Em 1977 inicia a sua actividade como professora de Matemática do ensino secundário. Fez o estágio clássico no ensino secundário, onde foi professora efectiva (1979-98), mas encontrando-se no período de 1990 a 1998 em situação de destacamento na Escola Superior de Educação de Leiria. É actualmente professora adjunta da ESECS do Instituto Politécnico de Leiria e membro do seu Conselho Técnico-Científico. É membro da Comissão de Acompanhamento (nomeação do ME/MCTES) do Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico, em representação da Associação de Professores de Matemática, de que foi presidente no biénio 2004/2006. Actualmente é membro da redacção da revista Educação e Matemática, com as funções de directora. De 2004 a 2007 fez parte da equipa de investigadores do projecto Desenvolvimento do sentido do número: perspectivas e exigências curriculares, no âmbito do qual participou em congressos nacionais e internacionais, com publicações nas actas desses encontros, sendo co-organizadora do livro O sentido do número: reflexões que entrecruzam teoria e prática (Escolar Editora, 2008).

João Almiro
Lecciona na Escola Secundária de Tondela. Concluiu a licenciatura em Matemática (Ramo Educacional) em 1981 na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, onde terminou em 1998 o Mestrado em Educação, na especialidade de Didáctica de Matemática. Iniciou as funções docentes em 1980, trabalhando desde 1982 na Escola Secundária de Tondela. Leccionou nos últimos três anos uma turma piloto do 3º Ciclo do Novo Programa de Matemática do Ensino Básico. Está há muitos anos ligado à formação contínua de professores, tendo sido Director do Centro de Formação Tomás Ribeiro - Tondela de 1995 a 2001, e Consultor de Formação do referido Centro de 2005 a 2008. Foi um dos fundadores do Núcleo de Viseu da APM em 1990, pertencendo actualmente à sua Comissão Coordenadora. Pertenceu à direcção da APM de 1990 a 1993 e foi Presidente da Assembleia Geral. Tem participado em vários grupos de trabalho na APM, nomeadamente o Projecto Matemática 2001, o Grupo de Trabalho T3, o Grupo de Trabalho de Investigação e o Ano Temático Matemática e Jogo em 2004.

Ana Maria Roque Boavida
É professora adjunta na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal e membro da Comissão Coordenadora do Conselho Técnico-Científico. Coordenadora institucional do Programa de Formação Contínua em Matemática para professores do 1.º e 2. Ciclo. Coordenadora e co-autora da publicação A experiência matemática no Ensino Básico e editora convidada do número 100 da revista Educação e Matemática subordinado em tema Racionar em Matemática.







© Copyright 2010 Associação de Professores de Matemática / Todos os direitos reservados