Para beneficiar das opções personalizadas deste site tem de fazer login ou registar-se como sócio da APM.    

ApresentaçãoProgramaLocaisInscriçõesMinicursos a DistânciaFAQsMoodle para TODOS os participantes 

Minicursos a Distância

Foi em 1997 que se realizou em Portugal a primeira ação de formação na área da matemática, acreditada, totalmente a distância. Ao longo destes 17 anos o modelo foi experimentado e aperfeiçoado. Nos últimos três anos a APM tem dinamizado formação síncrona totalmente a distância, suportada pela plataforma MOODLE. Tendo por base esse modelo, já testado com sucesso, Apresenta-se ao MadeiraMat2014 uma listagem de 16 Minicursos que permitiram aos participantes experimentarem um modelo de formação inovador, que usa as potencialidades das “tecnologias do séc. XXI”.

O Centro de Formação da APM deseja que a participação nestes Minicursos de 6 horas desperte o interesse dos docentes para a participação em futuras ações a distância, com maior número de horas.

O que é necessário para frequentar um Minicurso ?
Computador com ligação à Internet e conta de e-mail. Tudo o resto ... receberá informação. Se tem alguma dúvida contacte a organização pelo email madeiramat2014@apm.pt

MC 1 - Construções Euclidianas - um legado com mais de dois mil anos
MC 2 - Didática da Análise Matemática
MC 3 - Os Grafos nas escolas: animação e aprendizagem
MC 4 - Jogos Matemáticos
MC 5 - Quadros interativos na aula de Matemática (StarBoard Software v9)
MC 6 - Gerar e classificar padrões com GECLA
MC 7 - GeoGebra Tube - construções dinâmicas na nuvem
MC 8 - Aprendizagem da Matemática através da resolução de problemas
MC 9 - Problemas e Investigações com Tecnologia TI-nspire
MC 10 - Recursos educativos para a aula de Matemática
MC 11 - Multiplicação e divisão de racionais
MC 12 - Explorar conexões entre Matemática e Ciências no 2º Ciclo do Ensino Básico
MC 13 - Aprender matemática através da resolução de problemas: das competições online à criação de tarefas
MC 14 - Rubricas no processo de avaliação das Aprendizagens
MC 15 - O Questionamento na aula de Matemática para o desenvolvimento do Raciocínio Matemático e do Pensamento Crítico
MC 16 - As histórias também contam Matemática



MC 1 - Construções Euclidianas - um legado com mais de dois mil anos

Formador: José Miguel Sousa, Centro de Formação EduFor

 

Destinatários: 2º/ 3º Ciclo e Secundário

Cronograma:


1ª sessão - 2 horas

15 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

16 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

17 de julho

21h00-23h00

Acesso ao Moodle do MC1: http://goo.gl/JTyt33

 

 

Resumo:


Nos programas oficiais de matemática, a História da Matemática aparece devidamente integrada no corpo do programa, apontando-se tanto científica como metodologicamente, quais as ocasiões onde esta deve ser utilizada. Isto significa que a História da Matemática não assume um papel privilegiado, antes se integra de forma harmoniosa nos outros temas. Os programas oficiais referem que o trabalho com aspetos da História da Matemática é fundamental e deve ser realizado com os mais diversos pretextos. A reduzida formação que os professores têm na área cria dificuldades acrescidas à integração da História da Matemática no currículo, o que justifica a realização deste momento de formação.

Neste Minicurso serão tratados os seguintes tópicos:

-   as fontes da Matemática Grega;

-   os Elementos de Euclides;

-   construções com régua não graduada e compasso.




MC 2 - Didática da Análise Matemática

Formador: Jaime Carvalho e Silva, Universidade de Coimbra

Destinatários: 3.º Ciclo e Secundário

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

 

Acesso ao Moodle do MC2: http://goo.gl/EZNKVk

 

Resumo:


As dificuldades do ensino de conceitos como limite e derivada levam a que diferentes autores proponham diferentes perspetivas. Impõe – se pois uma análise crítica das diferentes propostas, que não são equivalentes, nem do ponto de vista didático nem do ponto de vista científico (é surpreendente que diferentes manuais proponham definições não equivalentes de conceitos elementares da análise). Além do mais, os novos programas de matemática do secundário escolhem uma definição de limite diferente da usual em Portugal e que não lhe é equivalente. Pretende-se incentivar os professores a procurarem propostas diferentes (novas ou antigas) e a analisarem criticamente essas diferentes abordagens (conseguindo ver em que medida não são equivalentes), aprofundando ao mesmo tempo a sua compreensão do tema. Serão discutidos alguns dos seguintes conceitos:

- Função
- Limite
- Continuidade
- Infinito
- Ponto de Inflexão
- Concavidade
- Monotonia

Em relação a alguns dos itens, serão propostas aos formandos atividades de diversos tipos para trabalho autónomo e em grupo. Dessa atividade dos formandos resultarão pequenos relatórios que constituirão a avaliação dos formandos.




MC 3 - Os Grafos nas escolas: animação e aprendizagem

Formador: Arsélio Martins, Centro de Formação da APM

 

Destinatários: 3º Ciclo e Secundário

 

Cronograma:

1ª sessão - 2 horas

15 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

16 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

17 de julho

21h00-23h00

ANULADO

 

 

Resumo:

 

Foram introduzidos no programa de Matemática Aplicada às Ciências Sociais, novos temas que procuravam sensibilizar jovens para a vida na organização social, enriquecendo a sua formação com modelos matemáticos próprios. Os problemas de distribuição de bens e mercadorias e a correspondente recolha de resíduos para tratamento, logística, transportes e comunicações, etc reclamam modelos de grafos, simples conjuntos de pontos e linhas a ligar pares desses pontos.

Claro que, como acontece com qualquer outro modelo, o modelo de grafos ajuda a pensar e a raciocinar em múltiplos domínios da matemática, a começar pela combinatória (contagem ou enumeração, etc) até à teoria de jogos.  Propomos formas de animar o interesse pela matemática apresentando actividades com grafos, por um lado, e discutir ou debater os problemas em contexto social que o programa de MACS procurou abordar

 

1. As linhas que ligam pontos – grafos de arestas – para resolver problemas de percorrer as arestas de um conjunto de arestas, ruas, estradas, sem as repetir que é também o jogo de desenhar figuras poligonais determinadas sem levantar o lápis e sem passar duas vezes por um traço feito.

2. Só podemos sair de um ponto por uma aresta (rua, estrada) que nos leva desse ponto a outro ponto – grafo de vértices – para resolver o problema de visitar os pontos de um dada conjunto de pontos sem repetir qualquer deles, seguindo o melhor caminho (mais curto, ....), que é o caminho de escolher um roteiro para visitar cidades sem as repetir e voltando à cidade de onde partimos (ou não),...

3. Escolher ou criar atividades de animação relacionados com estes modelos, apropriadas a cada ciclo de ensino.




MC 4 - Jogos Matemáticos

Formador: Mª Teresa Santos, Centro de Formação da APM

 

Destinatários: 2.º/ 3º Ciclo e Secundário

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

10 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

11 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

14 de julho

21h00-23h00

 

 

Acesso ao Moodle do MC4:  http://goo.gl/5UrzKl

 

 

 

Resumo:

 

Nos últimos anos tem-se assistido em Portugal a um crescente entusiasmo pela prática dos jogos matemáticos, quer na sala de aula, quer em espaços exteriores às escolas.

Se olharmos para a história verificamos que alguns jogos estão na origem da criação de alguns ramos da matemática e que em todas as culturas, em todas as épocas, as pessoas jogam.

Os jogos matemáticos são um tema recorrente da divulgação matemática, e mesmo das novas teorias do seu ensino, contudo pelo facto de estes constituírem um campo demasiado vasto, nem sempre são tratados com a atenção, o rigor e a profundidade que se desejaria.

Sendo os jogos uma atividade que encanta, entusiasma, prende a atenção, obriga a pensar, a refletir, e a organizar os raciocínios, por que razão não se pode ensinar de forma a ver um sorriso no rosto dos alunos?

Tendo em conta a semelhança de estrutura existente entre os jogos e a matemática, é claro que existem muitas atividades e muitas atitudes fundamentais comuns que de certa forma se podem exercitar, basta para isso escolher o jogo mais apropriado e conseguiremos claras vantagens a nível psicológico e motivacional para a aprendizagem da matemática.

Quantas não são os alunos que no dia-a-dia se declaram incapazes de entender matemática e, no entanto, disfrutam do prazer de resolver um puzzle ou um jogo que em pouco difere da matemática! Muitos destes bem motivados, com os elementos lúdicos certos, poderiam ter êxito na matemática dita formal, já que com os jogos conseguimos aumentar a motivação e aumentar o potencial para a discussão matemática, bem como desenvolver as habilidades das crianças na resolução de problemas. Entenda-se que um dos objetivos dos jogos é auxiliar a aprendizagem de determinados conteúdos curriculares ou cumprir um objetivo pedagógico transversal.

A inclusão dos jogos na aula de matemática promove a aprendizagem dos alunos, ao permitir o reforço e a sua prática e melhora as atitudes destes em relação à matemática.

O que se propõe fazer neste curso é explorar as eventuais potencialidades de alguns jogos, perspetivando a sua integração em contextos de sala de aula.




MC 5 - Quadros interativos na aula de Matemática (StarBoard Software v9)

Formadora: Maria de Fátima Loureiro, Escola Portuguesa da Luanda / Centro de Formação EduFor

 

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

 

 ANULADO

 

Resumo:

A sociedades do século XXI, agora conhecida como A Sociedade do Conhecimento, não pode dispensar o conhecimento e/ou aplicação das novas Tecnologias da Informação e Comunicação, uma vez que elas estão presentes nos mais diversos sectores da sociedade. As escolas têm ao seu dispor uma ferramenta educacional que poderá contribuir para a criação de percursos de aprendizagem e comunicação diversificados. Na aula de matemática poderá permitir um ensino mais dinâmico, mais interativo, mais motivador e, por conseguinte mais eficaz e significativo - contribuindo para melhorar o processo de ensino/aprendizagem. Esta ferramenta é o Quadro Interativo Multimédia. Neste Minicurso, de nível introdutório, pretende-se fazer uma breve demonstração das potencialidades interativas do Quadro Interativo MagicBoard, dar a conhecer algumas técnicas para a preparação de conteúdos e, utilizando a mais recente versão do StarBoard Software e apoiar os presentes na construção de um recurso interativo para a aula de matemática.




MC 6 - Gerar e classificar padrões com GECLA

Formadora: Maria Manuela Simões, ES Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves

 

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

 

Cronograma:

 

 

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

 

 

ANULADO

 

 

 

Resumo:

Muito apelativo a nível visual e rico do ponto de vista científico, o estudo da simetria no plano incluído nos programas do ensino básico pode ser enriquecido com uma abordagem que integre o recurso ao programa GeCla (significando Gerador e Classificador de Padrões) Trata-se de um software, em aperfeiçoamento contínuo, desenvolvido pela Associação Atractor, que pretende estender as funcionalidade do DVD “Simetria, apresentação dinâmica”, da autoria da mesma associação.

Entre outras funcionalidades o GeCla permite Gerar e/ou Classificar todo o tipo de padrões. Mais interessante ainda, o GeCla permite que duas pessoas entrem em Competição uma com a outra através da Internet. O GeCla tem várias versões que permitem que este seja utilizado desde a mais tenra idade.

Este minicurso tem como objetivo abordar os procedimentos e funcionalidades básicas do programa permitindo que no futuro os alunos possam explorar nas mais variadas situações mais esta ferramenta com os seus alunos.




MC 7 - GeoGebra Tube - construções dinâmicas na nuvem

Formador: Paulo Correia, Agrupamento de Escolas de Alcácer do Sal

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

 

Acesso ao Moodle do MC7: http://goo.gl/VRm70r

 

Resumo:

Um número significativo de professores usa o GeoGebra no seu trabalho com os alunos. O GeoGebraTube é uma plataforma que permite armazenar remotamente os ficheiros, construídos com o GeoGebra, facilitando a partilha com alunos, outros professores, em redes sociais alargadas ou grupos restritos. Mais... para além da solução técnica de armazenamento de ficheiros, esta plataforma pode ser entendida como um centro de recursos que permite aceder a materiais – em quantidade e qualidade – só possíveis a uma comunidade à escala global.

Neste Minicurso vamos tentar perceber melhor a integração do GeoGebra com o GeoGebraTube, numa perspetiva prática, perceber como permitir que outros usem as nossas construções e como podemos usar as construções disponibilizadas. Pretende-se remeter as questões técnicas para um papel acessório, e valorizar o trabalho prático da utilização da plataforma, refletindo sobre as vantagens desta forma de “guardar” o “nosso” “trabalho”.




MC 8 - Aprendizagem da Matemática através da resolução de problemas

Formadora: Cristina Cruchinho, Escola Secundária Filipa de Vilhena

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

Cronograma:

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

ANULADO

 

Resumo:


A grande finalidade da matemática escolar é desenvolver nos estudantes capacidades para usar a matemática eficazmente na sua vida diária: a resolução de problemas oferece uma oportunidade única de mostrar a relevância da matemática no quotidiano dos estudantes.

Os problemas fizeram sempre parte da aula de matemática, mas a ênfase e o modo de abordagem no contexto escolar têm-se modificado ao longo do tempo e de acordo com as várias reformulações nos Programas de Matemática.

É neste contexto que pretendemos abordar, neste Minicurso, algumasreflexões sobre o ensino da matemática através da resolução de problemas.




MC 9 - Problemas e Investigações com Tecnologia TI-nspire

Formadores: João Almiro, Escola Secundária de Tondela

                       Isabel Duarte, Escola Superior de Tecnologia de Viseu

 

Destinatários: Secundário

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

10 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

11 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

14 de julho

21h00-23h00

 

 

ANULADO

 

 

 

Resumo:


É inquestionável que o uso de meios tecnológicos no ensino da Matemática favorece a criação de contextos significativos, permitindo a simulação de situações e uma abordagem experimental e intuitiva da Matemática, estimulando o espírito de investigação nos alunos e dando-lhes um lugar mais ativo no processo de aprendizagem

Neste curso pretende-se que os participantes analisem alguns problemas e investigações, tendo em vista a sua utilização em sala de aula, aproveitando as potencialidades da calculadora TI-nspire.

É aconselhável que os participantes possuam os conhecimentos básicos desta calculadora.




MC 10 - Recursos educativos para a aula de Matemática

Formadores: Fernanda Tavares / Helena Gomes

 

Destinatários: 2.º Ciclo

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

10 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

11 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

14 de julho

21h00-23h00

 

 

Acesso ao Moodle do MC10: http://goo.gl/QD3y8C

 

 

 

Resumo:

 

São inúmeros os recursos educativos digitais disponíveis na internet, alguns deles com potencialidades efetivas para o ensino e a aprendizagem da Matemática. O que nos propomos fazer neste curso é explorar as eventuais potencialidades de alguns desses recursos existentes na web, perspetivando a sua integração em contextos de sala de aula.




MC 11 - Multiplicação e divisão de racionais

Formadores: Margarida Abreu / Margarida Cabido

 

Destinatários: 2º Ciclo

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

10 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

11 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

14 de julho

21h00-23h00

 

 

ANULADO

 

 

 

Resumo:

 

Neste minicurso pretende-se analisar e discutir textos e tarefas exploratórias para o ensino e aprendizagem de números racionais, com maior incidência em situações que envolvem a multiplicação e a divisão de racionais.




MC 12 - Explorar conexões entre Matemática e Ciências no 2º Ciclo do Ensino Básico

Formadores: Cristina Loureiro / Sandra Isabel Magalhães

 

Destinatários: 2.º Ciclo

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

7 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

8 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

9 de julho

21h00-23h00

 

 

ANULADO

 

 

 

Resumo:

O ensino das Ciências e da Matemática deve pressupor uma visão externalista, considerada mais relevante e atual do ponto de vista educacional e revestir-se de um ensino com significado, que ultrapasse a meta de uma aprendizagem de factos e de teorias e que tenha sobretudo interesse e utilidade para os alunos, devendo também tirar partido das potencialidades da exploração das conexões entre a Matemática e Ciências, numa perspetiva de um ensino cada vez mais interdisciplinar entre estas duas disciplinas.

Congruentemente, ao longo desta ação de formação procurar-se-á identificar, analisar e refletir sobre as possíveis inter-relações a estabelecer a partir dos temas curriculares destas duas áreas disciplinares nos primeiros anos do Ensino Básico, promovendo o ensino por pesquisa, o desenvolvimento do pensamento crítico dos alunos, bem como o desenvolvimento das capacidades de resolução de problemas, comunicação matemática e raciocínio matemático.




MC 13 - Aprender matemática através da resolução de problemas: das competições online à criação de tarefas

Formadora: Hélia Jacinto, Escola Básica José Saramago / Unidade de Investigação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo

Cronograma:

1ª sessão - 2 horas

10 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

11 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

14 de julho

21h00-23h00

Acesso ao Moodle do MC13: http://goo.gl/4iIKQ7

 

Resumo:

O Programa de Matemática para o Ensino Básico refere que “o gosto pela Matemática e pela redescoberta das relações e dos factos matemáticos (…) constitui um propósito que pode e deve ser alcançado através (…) da resolução de problemas” (PMEB, 2013, p. 2), corroborando conceções que são, há largos anos, preconizadas nas orientações curriculares para este nível de ensino.

Ensinar matemática com problemas é uma perspetiva de trabalho de sala de aula que se baseia na exploração de tarefas desafiadoras que promovam o desenvolvimento e a construção de relações e ideias matemáticas. A resolução de problemas, para além de se constituir como um fim em si mesma (importa conhecer estratégias de resolução de problemas, saber selecionar factos e procedimentos matemáticos), é também uma importante estratégia de desenvolvimento do currículo que pode conduzir a experiências de aprendizagem com compreensão.

Atualmente existem inúmeras atividades matemáticas extracurriculares, umas a nível nacional, outras regionais ou ainda a nível de escola, que se baseiam na resolução de problemas. Enquanto algumas têm na sua génese uma natureza seletiva (ex.: Olimpíadas Portuguesas da Matemática), outras apelam a uma participação mais abrangente e têm suscitado o interesse de alunos com diversos graus de aptidão para a aprendizagem da matemática - o que nos indica serem uma excelente fonte de recursos para as nossas salas de aula tão heterogéneas. As competições Agente X (na RAM) ou Sub12 e Sub14 (no Algarve e Alentejo) são exemplo de competições inclusivas que se desenvolvem em torno de uma fase de treino (a distância, através da Internet) e uma fase final (presencial) onde a verdadeira competição tem lugar. Como promover e desenvolver a capacidade de resolver problemas, na sala de aula, que incentive os alunos a participar nessas competições? E existirá forma de capitalizar esse investimento para o desenvolvimento dos conteúdos programáticos?

Neste Minicurso serão exploradas formas de trazer estas competições matemáticas para a sala de aula, perspetivando a resolução de problemas como atividade indispensável à apropriação de conceitos matemáticos. As competições existentes, por terem um suporte online, disponibilizam uma base de dados considerável, cujos problemas encerram temas matemáticos, contextos do quotidiano e graus de dificuldade muito diversos, que é possível adaptar para o trabalho de sala de aula.

A proposta de trabalho para este Minicurso desenrolar-se-á em torno da criação de tarefas matemáticas desafiadoras, baseadas na resolução de problemas lançados pelos campeonatos online acima referidos, para explorar ou consolidar temas matemáticos do programa. Nas sessões do Minicurso serão tratados os seguintes tópicos: (i) perspetivas sobre a Resolução de Problemas no desenvolvimento do currículo, (ii) análise das potencialidades das competições matemáticas online, e (iii) elaboração de tarefas matemáticas desafiadoras e planificação da sua aplicação.




MC 14 - Rubricas no processo de avaliação das Aprendizagens

Formadores: Elsa Barbosa, Sofia Delgadinho

 

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

15 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

16 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

17 de julho

21h00-23h00

 

ANULADO

 

Resumo:

A avaliação desempenha um papel fundamental enquanto parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem, que se centra quer nos alunos, quer nos professores. Neste sentido, quando envolvidos no processo de avaliação, os alunos poderão tornar-se mais habilitados, mais autónomos, mais participativos e mais responsáveis pela sua própria aprendizagem.

A avaliação continua a não ser um processo fácil para os professores, atualmente ainda com um carácter essencialmente sumativo. Com este minicurso pretende-se construir e promover o uso de rubricas, para que o professor possa desenvolver e sistematizar critérios de avaliação mais claros e coerentes com os objetivos de aprendizagem.




MC 15 - O Questionamento na aula de Matemática para o desenvolvimento do Raciocínio Matemático e do Pensamento Crítico

Formadora: Sandra Ferrão Lopes

 

 

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo e Secundário

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

15 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

16 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

17 de julho

21h00-23h00

 

 

Acesso ao Moodle do MC15: http://goo.gl/UyQ7vF

 

 

 

Resumo:

 

Ao longo das últimas décadas assistimos a mudanças na sociedade a nível social, económico, científico e tecnológico que implicam necessariamente uma atitude mais interventiva, construtiva e crítica dos alunos de hoje a fim de se tornarem adultos que saibam mobilizar saberes de forma crítica na tomada de decisão e inovação. Aceitando que a escola, e em particular os professores de matemática, são os agentes de formação fundamentais para o desenvolvimento do raciocínio matemático e do pensamento crítico dos alunos, configura-se a necessidade de implementar mudanças de práticas através da formação dos professores no aperfeiçoamento das atividades propostas aos alunos. Deste modo o questionamento, na sala de aula e/ou nas atividades propostas (tarefas escritas, trabalhos de investigação, atividades práticas, simulações, problemas, etc.) assume-se como uma ferramenta robusta para o desenvolvimento do Raciocínio Matemático e do Pensamento Crítico, quando indexado a diferentes taxonomias.

Neste Minicurso serão tratados os seguintes tópicos:

-   Conceções e perspetivas: Raciocínio Matemático e Pensamento Crítico;

-   O Questionamento na aula de matemática;

-   (Re)construção de uma atividade matemática.




MC 16 - As histórias também contam Matemática

Formadora: Cátia Rodrigues, Escola Secundária Emídio Navarro (Viseu)

 

 

Destinatários: 2.º / 3.º Ciclo

 

 

 

Cronograma:

 

1ª sessão - 2 horas

15 de julho

21h00-23h00

2ª sessão - 2 horas

16 de julho

21h00-23h00

3ª sessão - 2 horas

17 de julho

21h00-23h00

 

ANULADO

 

 

Resumo:


 

Embora a Literatura e a Matemática sejam vistas, com frequência, como áreas de pouca “convivência”, as histórias versando temas matemáticos revestem-se de particular importância uma vez que, a partir delas, é possível desenvolver-se atividade matemática.

Neste curso pretende-se discutir tarefas matemáticas para a sala de aula, a partir de alguns excertos da literatura, explorando conexões dentro e fora da Matemática.

 







© Copyright 2010 Associação de Professores de Matemática / Todos os direitos reservados